Fazer consórcio sem consciência pode ser bastante traiçoeiro

Fazer consórcio sem consciência pode ser bastante traiçoeiro

Fazer consórcio sem consciência pode ser bastante traiçoeiro

ou…

Se você for Bentinho, o consórcio de veículo pode ser a sua Capitu!

 

Hoje falo sobre a carta de crédito para veículo, também conhecida como consórcio. É uma forma muito comum de se comprar um carro no Brasil.

Vou usar um paralelo para chegar ao meu ponto.

No romance “Dom Casmurro” de Machado de Assis, Bentinho nos conta a sua história de amor com a eterna Capitu. Moça de olhar dissimulado que tem a sua fidelidade colocada em cheque na literatura nacional.

A relação é simples. O consórcio parece uma forma amigável de se adquirir um veículo. Quando você entra em um consórcio, a decisão que você toma não aparenta ser tão importante. Ao menos não tanto quanto a de comprar um carro à vista ou por financiamento.

Por isso mesmo, o consórcio pode ser um pouco traiçoeiro e dissimulado.  Decidir entrar em um consórcio deveria ser encarado como algo tão relevante quanto comprar efetivamente um carro.

Até porque a dificuldade em cancelar sua opção pode ser grande. Na maioria dos casos, se desistir, você só vai poder ter o seu dinheiro ao final do prazo, ou no caso de ser sorteado como desistente.  Mesmo assim terá que arcar com os custos e taxas de administração.

Se o objetivo é mesmo trocar de carro no futuro, o planejamento financeiro pode ser mais barato e eficaz. Mas a gente sabe o quanto um veículo pode ser caro. E as vezes o medo de encarar isso nos faz tomar decisões custosas.

Em outros casos o carro ainda não é uma certeza e o consórcio é utilizado para fazer uma reserva forçada de dinheiro. Mas ele está longe de ser a ferramenta ideal para isso. Existem formas muito mais vantajosas de automatizar essa reserva.

Mais uma coisa: Se para pagar mensalmente o consórcio você acabar recorrendo ao cheque especial ou a outros empréstimos, você vai estar fazendo um financiamento indireto do seu carro.

Isso é assustador. Além das taxas do consórcio, essa decisão pode te custar taxas de juros que chegam a 10% ao mês. Assim, até o final do período você terá desembolsado o valor de vários carros.

Sobre o romance de Machado de Assim, há quem defenda a bela Capitu e veja o personagem Bentinho como um homem perturbado. Existe até quem tenha feito uma versão da história narrada pela moça.

Portanto, para não ser muito radical, finalizo explicando que existem também situações onde o consórcio pode ser considerado.

A mensagem importante aqui é a de que, ao se comprometer com um, você deve fazer isso com consciência.  Não como uma forma de autoengano.

6 de julho de 2017

0 repostas em "Fazer consórcio sem consciência pode ser bastante traiçoeiro"

Deixe uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todos os direitos reservados © 2017 - Laboratório do Valor.

Rua Lisboa, 273, Pinheiros, São Paulo – SP
E-mail: contato@labdovalor.com.br